segunda-feira, 14 de maio de 2012

Ascensão do Senhor - Atividade para Catequese

A história da Ascensão do Senhor
“Depois de dizer isso, Jesus foi elevado aos céus, a vista deles. Uma nuvem os encobriu, de forma que seus olhos não podiam mais vê-lo. Os apóstolos continuavam olhando para o céu, enquanto Jesus subia” (At 1,9-10)


O texto dos Atos dos Apóstolos descreve o centro do mistério que se celebra na Solenidade da Ascensão do Senhor: Jesus sobe aos céus e, a partir daquele momento, sua presença entre nós manifesta-se de outros modos: nos sacramentos, na Palavra, na pessoa do outro e pela vida de união íntima ao Mestre, como um ramo de videira unido ao seu tronco (Jo 15,1-8). Uma presença que se caracteriza pela atividade da Igreja através dos discípulos do Senhor. É nesse sentido que a Ascensão do Senhor conclui, de modo glorioso, a vida pública de Jesus e delega compromissos missionários e  organizacionais à comunidade, aos discípulos e discípulas. 


A história


A origem da Solenidade da Ascensão do Senhor inspira-se nos textos bíblicos que relatam a subida de Jesus aos céus, 40 depois de sua Ressurreição. Os relatos Sagrados relacionam a Ascensão do Senhor com a vinda do Espírito Santo. Jesus sobe aos céus prometendo que enviará o Espírito Santo para sustentar os discípulos na tarefa evangelizadora (At 1,6-8). Este é um dos motivos pelos quais, em algumas Igrejas, era comum celebrar a Ascensão e Pentecostes numa única Liturgia. A separação entre as duas festas, contudo, já é mencionada a partir do século IV, como consta em um Lecionário Armeno e em dois sermões feitos pelo Papa Leão Magno. 


Os textos das missas que descrevem a teologia das antigas celebrações celebram a Ascensão como glorificação de Jesus em vista de confirmar a fé dos discípulos, enviados a evangelizar o mundo. Outro texto diz que a encarnação de Jesus não lhe tirou a glória divina, prova disso é que Jesus subiu aos céus levando consigo a natureza humana. Nesse mesmo tom, uma oração depois da comunhão, do século VIII, proclama a Ascensão do Senhor como promessa que os discípulos de Cristo viverão com Ele na Pátria eterna, pois pela Ascensão, o Senhor abriu as portas para entrar na casa do Pai, canta um longo prefácio do século VIII. 


Um rito que era realizado nesta solenidade era o apagamento do Círio Pascal, depois da proclamação do Evangelho. Com a reforma Litúrgica do Vaticano II, em 1963, esse rito passou a ser realizado na Solenidade de Pentecostes. O Círio é apagado, no Domingo de Pentecostes, durante a Liturgia das Horas (Oração da tarde), após o cântico evangélico.

4 comentários:

  1. Olá Catequista Unido!
    Está chegando o primeiro aniversário do nosso Grupo Catequistas Unidos, e com isso vai acontecer uma promoção especial! Peço alguns minutos de seu tempo para ler a seguinte postagem: http://www.catequesenanet.com.br/2012/05/aniversario-catequistas-unidos.html Venha participar conto com sua presença, afinal somos unidos ou não? rsrsrs
    Paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  2. Olá meu amigo Jonathan, tudo bem???
    Qto tempo???
    Te encontrei por acaso, deixei recadinho
    para vc no facebook...queria saber se havia mudado
    o título de seu blog.
    bjs saudade, fica em PAZ!!!!

    GE

    ResponderExcluir
  3. esqueci de colocar meu nome, deixa o enderenço do seu blog na minha pagina do facebook! BJS

    Geiz Margarida Pinheiro - Rio de Janeio

    ResponderExcluir
  4. Muito legal esta página.com a modernidade n´s catequistas temos que nos preparar muito para fazer o nosso trabalho, com muito carinho...Iolanda

    ResponderExcluir

Caso não dê conta de comentar com o seu email, você poderá comentar clicando na opção ANÔNIMO, só não pode esquecer de deixar o nome no final de seu comentário. Desde já, agradeço seu comentário e convido a voltar sempre.

Jonathan Cruz