quinta-feira, 28 de junho de 2012

Violência - Encontro para Catequese

Teatro
Tema: Violência
Entram dois alunos com o papel na mão e começam os diálogos:
Ricardo:
– Você viu o jornal de ontem Pedro? Cara só se fala em violência.
Pedro:
– É Ricardo, parece que as pessoas agora transpiram a irritação, desacato, a impaciência. O que será que esta acontecendo com as pessoas?
– Olha Ricardo, a violência não está só na cidade grande não! Ela está em todo lugar. Até mesmo na nossa casa e na nossa escola. As pessoas estão brigando com a própria sombra.
Ricardo:
– Sabe Pedro, acho que o mundo esta sem fé, sem religião, sem Deus.
Entra em Cena:
02 alunos mascarados com armas de brinquedo e diz:
1º Assaltante:
– Mãos ao alto! Isto é um assalto.
Ricardo:
Calma, Calma, não temos nada, só a nossa fala.
2º Assaltante:
– Não tem importância, passe esse papel ai mesmo.
Saem correndo com papel nas mãos.
Os dois assustados falam:
Pedro:
– E agora, como vamos falar de violência.
Ricardo:
– É Roubaram a nosso texto!!!
Passa entre eles um casal com a mulher sendo espancada.
– Pra casa sua safada, isto é hora de chegar do serviço! Cadê minha janta?
Pedro diz:
– Ricardo você viu isto!!!
Entra uma mãe e uma criança. Ela bate na criança e diz:
– Sem vergonha, eu não falei pra você tomar conta dos seus irmãos, lavar a louça, varrer a casa e fazer a comida! Toma pra você aprender.
Ricardo:
– Meu Deus! O que esta acontecendo?
Entra 03 alunos brigando por causa de um brinquedo.
1º aluno:
– É meu.
2º aluno:
– Nada disso, eu vi primeiro:
3º aluno:
– Larga que é meu, foi eu que peguei.
E se dão chutes pontapés.
Entra um professor tenta desapartar e leva um chute. Pega os garotos pela gola e diz:
– Vão para a direção. Onde já se viu brigar dentro da escola e ainda por cima na frente de toda essa gente!!!
Pedro e Ricardo parecem mudos, passada a surpresa falam.
Pedro:
– Coitados de nós! Toda essa violência aqui retratada, ainda é pouca.
Ricardo:
– É Pedro, são muitos tipos de violência:
– A discriminação, seja ela qual for.
– A miséria, os baixos salários, o desrespeito para com a saúde pública, o estupro, o seqüestro em fim é tanta violência que às vezes perdemos a noção do que é certo ou errado.
Voltam os assaltantes
Mãos ao alto! Isto é um assalto
Pedro:
– De Novo! Vocês já nos assaltaram hoje!!!
1º Assaltante:
I daí!!! Passa Tudo.
Entra dois policiais
– Peguei vocês!
– Agora vão vê o sol nascer quadrado. Vão a julgamento.
"Todos os personagens voltam a cena discutindo a violência sofrida, porém em voz baixa e de fundo musical a música a seguir. (Poderá ter pelo menos duas crianças de preto dançando, enquanto as cenas de fundo relatam a violência)"

Ricardo:
A melhor solução para se combater a violência é procurar ter Deus no coração e promover a paz.
Pedro:
–Claro Ricardo, violência gera violência e não há melhor solução do que essas que você citou.

FIM

     ____________________Catequese Com Crianças__________________________

SUGESTÃO DE ENCONTRO:

a) Para ler: Atos 7, 55 - 60 e Mateus 5, 9

b) Para conversar

1. Por que há tanta violência hoje em dia?

2. O que fazer para diminuir a violência?

3. Há muitas brigas em sua casa?

c) Para saber

Os meios de comunicação social, principalmente a TV, o consumismo, a falta de conversão das pessoas, o imediatismo (querer tudo na hora), a fadiga (estresse), a vaidade, o orgulho, os vícios, principalmente da bebida, a ambição, a falta de misericórdia são as principais causas da violência no mundo atual.

A TV mostra violência (e bastante!) como a coisa mais normal deste mundo. Até desenhos animados aparentemente inofensivos mostram abundantemente a violência, desde os desenhos do pica-pau (que sempre faz coisas erradas e quase sempre sai ganhando), até o Tom & Jerry, que estão sempre brigando desde que foram criados.

De certa forma a violência começa já na família: além da influência da TV há os grandes problemas da atualidade, como o trânsito engarrafado, a falta de tempo, a correria, a falta de emprego, a vida desconfortável, falta de realização profissional e pessoal etc. O pai chega nervoso do trabalho, encontra a mãe nervosa porque acabou o gás, acabou a comida, ou ambos chegam nervosos do trabalho e assim começa a briga.

Para pôr um fim nisso tudo, as pessoas deveriam aprender a estar mais a serviço umas das outras e confiar mais na Graça de Deus, em sua Providência Divina.

É claro que precisamos mudar esse mundo louco, mas é certo também que precisamos nos santificar, mudar a nossa vida para melhor, meditar mais, tentar deixar para lá certos acontecimentos e certo problemas do dia-a-dia. Se deixarmos de lado o nosso egoísmo, comodismo, viadade, e sermos um pouco mais humildes e misericordiosos em nosso relacionamento, a violência, mesmo se não acabar, ao menos tornar-se-á menor.

O consumismo, unido à propaganda, causa a violência enquanto coloca no pensamento de certas pessoas o desejo de bens supérfluos e de consumo que elas não podem obter se não roubando dos outros. As drogas entram talvez nesse campo: a maioria dos roubos e assassinatos da atualidade está ligada ao vício e ao tráfico de drogas, pois exigem do viciado muito dinheiro. Para sustentar o vício ele se torna também um traficante e assim por diante.

d) Para viver

Procure começar o dia levantando-se com tempo para fazer suas obrigações sem correria. Faça tudo sem perder tempo, mas com calma. O que você não conseguir fazer bem hoje, faça-o amanhã, que talvez saia melhor. Sempre pense que Deus existe e está olhando por nós. Ao fazer algo mais difícil e enervante, relaxe e pense: "Será que isso tem tanta importância assim?"

Separe um tempo diariamente para a oração e meditação. Isso ajuda muito a vencer o nervosismo.

Ao peceber que uma discussão vai começar, abaixe a voz e reflita se a outra pessoa está ou não com a razão. Pode ser que o errado seja você.

Quanto ao problema das drogas, é um pouco mais complexo. Se você é o viciado, procure imediatamente ajuda. Fale com o padre. Se for o seu amigo, procure aconselhá-lo a procurar ajuda.

e) Para fazer

Escreva num papel tudo o que irrita você e tente preparar-se para esses acontecimentos. Se você for resolver um problema preparado para não brigar, vai conseguir êxito, e não precisará ser violento.

f) Para rezar
Senhor nosso Deus, / dai-nos a paciência necessária / para trabalharmos assiduamente / pelo vosso Reino de Amor. / Dai-nos também a graça / de sermos mansos e humildes de coração / como Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, / na unidade do Espírito Santo. Amém.

____________________________Catequese com Crianças_______________________

Outra sugestão de Encontro
Objetivo: As crianças deverão perceber que todos nós podemos colaborar para criar um ambiente de amizade e paz em torno de nós. Quando somos crianças boas e simpáticas cultivaremos bons amigos. Que a violência só gera violência. Violência não é só bater, empurrar,etc, mas também ofender e desrespeitar outras pessoas.
Primeiro Momento:
1. Perguntar as crianças:
QUEM VOCÊS PREFEREM PARA SER SEU AMIGO: UM MENINO AGRADÁVEL E EDUCADO OU UM MENINO BRIGÃO?
POR QUÊ? Ouvir as crianças
2. Atividade ReflexivaConversar com as crianças as consequências desagradáveis da violência dos "brigões".Dar exemplos da vida infantil. Explicar que a violência não é só bater, empurrar, chutar alguém , mas também ofender, xingar, tratar mal desrespeitar.
Segundo Momento: NARRAR a história: A FLORZINHA AMOROSANo recreio da escola, Ritinha organizava a brincadeira:
-Joana, Lina, Lucinha, venham para o meu grupo!...Você não Ivete!
- Por que não, Ritinha?
- Você está muito gorda! Não vai correr direito! Você também não vai brincar no meu grupo.
Alfredo! Menino atrapalha!...
A professora observava tudo. Quando retornaram à sala, ela disse que ia apresentar um teatrinho e era importante que prestassem muita atenção
E o teatrinho começou(narrar utilizando o recurso de teatro de vara)NARRADOR: Três borboletas voavam alegres de flor em flor num jardim. De repente, caiu uma chuva forte.
As borboletas corriam para todos os lados à procura de um abrigo quando viram uma linda orquídea
amarela onde poderiam pousar. A borboleta amarela aproximou-se e falou:
BORBOLETA AMARELA:Amiga orquídea podemos nos abrigar na sua corola até passar a chuva?
ORQUIDEA: Nada disso! Não sou guarda-chuva! Não vê que sou uma flor rara? Procurem outro lugar. O problema é de vocês.
NARRADOR: As borboletas levaram um susto com a agressividade da orquidea.Voaram para longe até que viram um lírio muito branco.
BORBOLETA BRANCA: Sr. Lirio Branco poderiamos nos abrigar na sua corola até passar a chuva?
LIRIO: - Você pode porque é da minha cor. As outras borboletas não! Não me misturo!
BORBOLETA BRANCA:- Então nada feito! Só ficaremos juntas. Amiga Petúnia, poderíamos nos abrigar na sua corola até passar a chuva?
PETÚNIA: - Claro que sim. Vou procurar abrir um pouco mais a minha flor para abrigar vocês três. Que alegria ser útil!
BORBOLETAS:- Obrigada, obrigada...
NARRADOR: Quando as borboletas iam voar para a Petúnia, a chuva passou e o Sol bem forte apareceu, secando as asas das borboletas enquanto voavam. Elas não precisaram mais abrigar-se na Petúnia,mas uma grande amizade surgiu a partir daquele momento.
(TERMINAR COM AS BORBOLETAS POUSANDO JUNTO Á PETÚNIA).
Ao acabar o teatro a professora viu que Ritinha aproximou-sede Ivete e Alfredo, falando-lhe:
- Desculpem-me pelo que fiz na hora do recreio
Terceiro Momento: Explorar a história avaliando também sua compreensão:
- O que acharam da atitude da Orquídea?
-E do Lírio?
-E da Petúnia?
-Qual dessas flores vocês gostariam de ter como amiga? Por que?
-A atitude de Ritinha no recreio foi parecida com a de qual flor?

-Aqui na catequese não há recreio, mas na escola vocês já presenciaram fatos que nem o da história?
Concluir que para viver feliz é preciso respeitar todas as pessoas nunca fazendo o mal.
Quarto Momento: ATIVIDADE CRIATIVA
a) Cada criança fará uma dobradura simples de borboleta, pinturas.
Explicar que as borboletas têm uma "escaminhas" que podem arranhar os olhos. Por isso não devemos segurar borboletas: só as feitas de papel.

________________Catequese com Crianças__________________

Peça de Teatro: Paz

Em busca da Paz

O Mundo está sentado no chão, chorando.

Chega uma criança.

Criança – Quem é você? Porque está chorando?
Mundo – Eu sou o Mundo e estou muito triste e fraco. Eu só vejo roubo, pessoas com fome, crianças sem escola, destruição, gente doente, brigas.
Criança – É verdade. Como vamos morar num mundo assim?Mundo – Só tem um jeito, você precisa me ajudar.
Criança – Qual?
Mundo – Procurar a Paz.
Criança – Onde ela mora?(Mundo desmaia)
Criança – (Falando para o público) Nossa! O Mundo desmaiou. Ele deve estar muito fraco mesmo. Vou ajudá-lo. Encontrarei a Paz.
(A criança começa a procurar, nisso entra um ser feio, sujo.)
Criança – Que susto! Quem é você?
Guerra – Sou a Guerra. Adoro briga, destruição, maldades. E você não vai brigar não? Todos brigam nesse planeta.
Criança – Não, eu não gosto de briga. Vou encontrar a Paz e acabar com isso. Já é tempo de mudar.(Toca a música “Viver” da Xuxa e entram as crianças caracterizadas de flores, aves e peixes)
Guerra – Odeio essa alegria toda! Vou embora! (Sai)
Criança – Ei, vocês precisam me ajudar. Onde está a Paz?
Flores – Pergunte para o mar.
Animais – Ou para a floresta.
Peixes – Ou para o céu.Criança – Cada um me diz uma coisa. Desse jeito nunca vou descobrir onde está a Paz.

segunda parte

(Nesse momento todos colocam as mãos nos olhos, pois um brilho muito forte se aproxima)

Flores – Olha o marido da lua!

Animais – O sol!
Criança – Senhor sol, me dê uma luz. Onde eu posso achar a Paz?
Sol – Vou te ajudar, linda criança. Não posso ficar muito tempo porque o Mundo precisa da minha luz e do meu calor. Segure isso (entrega um coração). Cuide bem dele. (Toca a música “Coração Criança” – Xuxa e todos os personagens dançam.
No final o Sol vai saindo.)
Criança – Espere, senhor Sol. O que eu faço com isso?
Sol – (Fala saindo de cena) Escute o seu coração! Escute o seu coração!(A criança anda de um lado para outro, olha o coração, coloca perto dos ouvidos, sacode e nada.)
Criança –(Desesperada) Socorro! Não sei mais o que fazer. Alguém me ajude!As flores, peixes e animais começam a fazer Tum-Tum, Tum-Tum, Tum-Tum e a criança imita, até que tem um estalo.)
Criança – Achei, achei a Paz! Ela mora dentro de cada um de nós. É só ouvir a voz do coração.(O Mundo desperta feliz)
Mundo – É verdade! Se todas as pessoas pararem para pensar, vão ver que brigas não levam a nenhum lugar.
Guerra – Agora eu aprendi, tudo depende de nós. Juntos, podemos fazer um Mundo melhor.
Todos se abraçam e se confraternizam. Música final – “Depende de nós” - Ivan Lins

Ps: Não descobri o autor da peça.

   ________________________Catequese com Crianças_____________________

História para contar...









            ______________________Catequese com Crianças______________________


Uma dinâmica bem legal e divertida!!!


- Avião da PAZ –  
Os catequizandos fazem a dobradura do avião, escrevem mensagens de PAZ e em uma área livre (quadra, pátio, praça), com o catequista, jogam os aviões ao ar livre, depois cada um pega o avião que cair próximo de si e confere a mensagem e quem a escreveu. 
(Lançados ao ar, os aviões irão se misturar e assim farão a troca de mensagem)
Após cada um pegar a sua mensagem, poderão finalizar com o abraço da PAZ.

Bom, foi essas ideias que apresento para trabalhar com o tema Violência. Espero que gostem.

5 comentários:

  1. Nossa amei. a simplicidade dos textos e imaginei as crianças apresentando e meu coração já ficou quente. Que Deus Abençoe sua vocação.

    ResponderExcluir
  2. Nossa amei. a simplicidade dos textos e imaginei as crianças apresentando e meu coração já ficou quente. Que Deus Abençoe sua vocação.

    ResponderExcluir
  3. Nossa eu adorei! hoje vou dar minha primeira aula para meus catequisandos e vcs me ajudaram muito!! obrigada

    ResponderExcluir
  4. Nossa que fiquei maravilhada com os textos, vai ser de grande ajuda .Parabéns Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Tudo muito prático. Amei.Chegou no momento providencial, coisas de Deus.
    Obrigada, Cícera

    ResponderExcluir

Caso não dê conta de comentar com o seu email, você poderá comentar clicando na opção ANÔNIMO, só não pode esquecer de deixar o nome no final de seu comentário. Desde já, agradeço seu comentário e convido a voltar sempre.

Jonathan Cruz